[language-switcher]

Conheça as capas da sétima edição da Revista Balaclava

Em nossas entrevistas de capa, Marina Sena e Nelson D estão apenas aquecendo os motores. Ambos os artistas lançaram discos em 2021, e cada um à sua maneira, propõe inovações sonoras e falam de forma honesta sobre quem são e o que desejam para suas carreiras. Veja mais spoilers da nova revista a seguir:

Receba a Revista Balaclava #7 em casa! Clique aqui para se tornar assinante ou garanta a sua na nossa lojinha online.

Carta das editoras

No único encontro presencial da equipe da revista, a tia Bidi, apelido da Ana David, contou que apresentou Patti Smith para a sobrinha. Aos 7 anos, Alice está fazendo aulas de inglês, então não demorou muito para sacar o refrão de “People Have The Power”, e aprender uma lição para a vida: as pessoas têm o poder. Ainda mais com a vacinação acontecendo e uma certa sensação de movimento no ar, como as coisas serão a partir de agora? 

Na matéria “Revolution Girl Style Now!”, Livia Ramires investiga uma questão importante para a cena que queremos para o futuro. Como tornar mulheres e pessoas LGBTQIA+ interessades em música? Em nossas entrevistas de capa, conduzidas de forma sensível pela Pétala, Marina Sena e Nelson D estão apenas aquecendo os motores. Ambos os artistas lançaram discos em 2021, e cada um à sua maneira, propõe inovações sonoras e falam de forma honesta sobre quem são e o que desejam para suas carreiras. 

Para conseguirmos realmente avançar, também precisamos resgatar o passado e entender de onde viemos. Na nossa primeira colaboração com a Brasa Mag, a repórter Maria Carolina Brito investigou como a imensidão do mar se expressa na subjetividade das pessoas pretas. Na segunda coluna da Thaís Regina, a nossa colaboradora conta a história do LP Native Brazilian Music, gravado em 1942, e como ele representa mais um tentáculo do colonialismo. “A memória é também uma forma de subversão, desobediência e autonomia”, ela escreve, e nós concordamos. 

A gente precisa saber o que aconteceu para não repetir os mesmos erros. Para entender como a música de Cassiano está viva, Cainan Willy contou com a ajuda de Sandra de Sá e grande elenco. No resgate sobre o imenso legado da violonista Rosinha de Valença, Nicolle Cabral conversou com Maria Bethânia e Marina Lima que, generosamente, dividiram a sua experiência com a artista, pioneira da Bossa Nova. 

Entre os novos colaboradores, Uno Vulpo, criador da página @sentomesmo, escreveu sobre redução de danos em casa. Já Vitor Brauer, da Lupe de Lupe, falou sobre a dissonância músico-narrativa, onde traçou paralelos entre o fazer musical e o design de jogos. 

Como sempre, contamos com o apoio de vários colaboradores em texto, foto e arte. Não podemos esquecer de exaltar a equipe: direção de arte da Thata Jacoponi, design e produção gráfica da Bidi, design e identidade gráfica da Yasmin Kalaf, e revisão e edição do Pedro Camargo. Nós amamos vocês! 

Esperamos que vocês tenham uma boa leitura e se conectem com as histórias a seguir. Agradecemos muito o apoio dos assinantes e dos anunciantes. Nos vemos por aí em breve! (Agora de verdade, porque saudades de ver shows). 

Beijos, 

Helo Cleaver e Isabela Yu 

Créditos:

Texto Isabela “Pétala” Alcântara @petalalala

Fotos Olivia Yokuchi @__yokouchi

Arte Thata Jacoponi @thatajacoponi

Beleza Laura La Laina@lauralalaina

Assistência beleza Gustavo Rocha @guvrocha

Styling Rafa Camilo @hahafa @estudiomamilo 

Assistência styling Juliana Santana @juliasantanab

Tratamento Devia Hwang @dadehwang e Mayã Guimarães @mayagmrs

Estúdio Estúdio Cachalote @cachalote.me

Design Ana David @ana__david, Thata Jacoponi @thatajacoponi e Yasmin Kalaf @yasmin.kalaf 

Edição e revisão Pedro Camargo

Créditos:

Texto Isabela “Pétala” Alcântara @petalalala

Fotos Diolinha @diolinha

Arte Thata Jacoponi @thatajacoponi, Ana David @ana__david e Yasmin Kalaf @yasmin.kalaf 

Edição e revisão Pedro Camargo

Quer saber mais? Tenha a sua Revista Balaclava #7 em casa! Se torne assinante ou garanta a sua edição avulsa.

Gostou? Temos também essas outras matérias

O mistério fascinante de Black Midi

“A gente vê o estúdio e o ao vivo como duas coisas completamente diferentes. Não vamos apenas entrar no estúdio, gravar exatamente como a gente toca ao vivo e deixar por isso mesmo”.